Centro Especializado em Plantas
Aromáticas, Medicinais e Tóxicas
Universidade Federal de Minas Gerais

Pimenta-de-macaco

Xylopia aromatica (Lam.) Mart.

(Família Annonaceae)

Por Verena B. Oliveira

Planta Viva

Droga Vegetal

A Xylopia aromatica (Lam.) Mart. é popularmente conhecida em Minas Gerais como “pimenta-de-macaco”. Outros nomes atribuídos a esta espécie, em outras regiões do Brasil, são “envira”, “envireira”, “jejerecu”, “pacovi”, “pimenta-de-gentio” e “pimenta-de-negro” (Lorenzi & Matos, 2002). A X. aromatica é uma árvore com 2,5 a 4 m de altura, tronco reto e muito aromática. Os frutos são carpídios escurecidos, cilíndricos, de 20 a 30 mm de comprimento e 6 a 8 mm de diâmetro, contendo de 3 a 6 sementes ovoides.

O gênero Xylopia inclui cerca de 160 espécies tropicais que são comuns no Cerrado e também nas florestas costeiras e Amazônia.  Os frutos são usados como condimento em alimentos, especialmente no tempero de carnes. Na medicina tradicional são usados como afrodisíacos e carminativos (CORREA, 1984; OLIVEIRA et al, 2012; SILVA & ROCHA, 1981).  Auguste Saint-Hilaire, naturalista francês que descreveu os usos de várias plantas nativas do Brasil no século XIX, mencionou o agradável sabor do fruto X. aromatica. Segundo este autor, ela poderia ser usada na alimentação como um substituto da pimenta-do-reino (Piper nigrum L.), devido ao sabor semelhante, porém mais suave (SAINT-HILAIRE, 2009 [1828]). Ele considerava também que a Xylopia poderia se tornar um novo ramo do comércio, trazendo riqueza aos brasileiros. Estudos químicos já mostram que a composição do óleo essencial da X. aromatica é bastante semelhante ao constituintes voláteis da pimenta-do-reino (SILVA & ROCHA, 1981). Infelizmente, apesar de ser considerada saborosa e ter de ampla distribuição geográfica no Brasil, esta pimenta brasileira ainda é pouco conhecida e explorada. Outras espécies do gênero Xylopia, também nativas do Brasil, como a X. frutescens e X. sericea, possuem características e propriedades semelhantes e também poderiam ser aproveitadas (LORENZI & MATOS, 2002).

Em estudo realizado pela equipe do CEPLAMT, e publicado recentemente (OLIVEIRA et al., 2004), foi verificado que o extrato bruto dos frutos de X. aromatica é capaz de melhorar as alterações metabólicas induzidas por dieta rica em carboidratos. O extrato da planta reduziu os parâmetros inflamatórios avaliados no tecido adiposo e no fígado. Isto significa que a planta pode ter efeito benéfico na obesidade. Novos estudos são necessários para confirmar isto, além das doses e melhor forma de uso. Já a análise química revelou a presença de ácidos fenólicos, flavonoides e alcaloides, que podem estar relacionados a essas atividades.

A pimenta-de-macaco é um exemplo de planta brasileira usada antigamente, com potencial nutracêutico, farmacêutico e comercial, e que precisa ser mais conhecida e aproveitada!!!

Referências bibliográficas

CORREA, 1984. Dicionário das Plantas Úteis e Exóticas Cultivadas. IBDF

LORENZI, H., & MATOS, F.J.A., 2002. Plantas Medicinais do Brasil. Editora Plantarum.

OLIVEIRA, V.B. et al., 2014. Effects of Xylopia aromatica (Lam.) Mart. fruit on metabolic and inflammatory dysfunction induced by high refined carbohydrate-containing-diet in mice. Food Res. Int., v.62, p.541-550.

OLIVEIRA, V.B. et al. .2012. Native foods from Brazilian biodiversity as source of bioactive compounds. Food Res. Int., v.48, p.173-179.

SAINT-HILAIRE, 2009 [1828]. Plantas Usuais dos Brasileiros. Fino Traço: Belo Horizonte.

SILVA, J.B., & ROCHA, A.B. 1981. Oleoresina do fruto de Xylopia aromatica (Lam.) Mart. Rev. Ciên. Farm., v.3, p.33-40.

Apoio

Contatos